O hiperadrenocorticismo também é conhecido como doença de Cushing ou síndrome de Cushing. Seu tratamento está a cargo da endocrinologia veterinária. Em Santo André, contamos ainda com a médica veterinária especialista em gatos, para complementar o tratamento completo.

É uma doença incomum em gatos que se desenvolve quando há uma produção excessiva e persistente do hormônio cortisol pelas glândulas supra-renais (localizadas perto dos rins no abdômen).

Isso é mais frequentemente causado por uma anormalidade da glândula pituitária (localizada na base do cérebro), que controla a produção dos hormônios da glândula adrenal, junto com muitos outros. Em alguns casos, será devido a uma anormalidade das próprias glândulas supra-renais.

Síndrome de Cushing em gatos - o que é, sintomas e tratamento 1
Gato mostrando feridas devido à pele fina e frágil – um sinal da doença de Cushing

Esta doença é muito mais comum em cães do que em gatos e geralmente é mais difícil de controlar em gatos do que em cães, embora seja possível um tratamento bem-sucedido. As concentrações excessivas de cortisol podem causar uma variedade de anormalidades, incluindo sede excessiva, fraqueza e alterações na pele.

O hiperadrenocorticismo também pode ser induzido pelo uso de altas doses de hormônios semelhantes ao cortisol por um longo período de tempo, como às vezes é necessário para controlar algumas doenças.

É uma doença muito comum em cães também. Se você tem um cachorro com hiperadrenocorticismo, saiba mais sobre tratamento de Síndrome de Cushing em cachorro.

Síndrome de Cushing em gatos - o que é, sintomas e tratamento 2
Síndrome de chushing em gato
Síndrome de Cushing em gatos - o que é, sintomas e tratamento 3

Veterinária especialista em gatos

Nós contamos com nossa veterinária especialista em gatos Dra Daisy Rodrigues CRMV-SP 29815. Ela é médica veterinária formada pela UNIABC, especialista em anestesia e felinos. A Clínica Veterinária UAU UAU QUE MIA atende tutores de toda a região metropolitana de São Paulo. Veja nossa especialidade e entre em contato.

O que causa o hiperadrenocorticismo?

Hiperadrenocorticismo iatrogênico

Hiperadrenocorticismo iatrogênico é o termo usado para se referir à doença quando é induzida pela administração em longo prazo de altas doses de drogas do tipo cortisol. Esses medicamentos podem ser corticosteroides (geralmente usados ​​para controlar inflamações ou alergias), mas em gatos os medicamentos do tipo progesterona (progestágenos) que às vezes são usados ​​para controlar o ciclo reprodutivo em gatas inteiras também têm ações potentes semelhantes ao cortisol. Se altas doses dessas drogas forem usadas por um longo período de tempo, elas terão o mesmo efeito que ocorre com o hiperadrenocorticismo de ocorrência natural.

Hiperadrenocorticismo de ocorrência natural

O cortisol é um hormônio produzido no corpo pelas glândulas supra-renais – duas pequenas glândulas situadas bem na frente dos rins. O excesso de produção de cortisol pelas glândulas adrenais pode ser causado por um tumor adrenal ou, mais comumente, por um tumor que afeta a glândula pituitária (uma pequena glândula na base do cérebro). A glândula pituitária produz vários hormônios diferentes, incluindo o hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), que estimula as glândulas adrenais a produzir cortisol. Se um tumor da glândula pituitária resultar na produção excessiva de ACTH, isso, por sua vez, fará com que as supra-renais aumentem de tamanho e produzam cortisol excessivo.

Quando o hiperadrenocorticismo é causado por um tumor adrenal, é denominado doença dependente da adrenal e quando é causado por um tumor hipofisário é denominado doença dependente da hipófise. A doença adrenal-dependente é responsável por menos de 15% do hiperadrenocorticismo de ocorrência natural. Quando está presente, cerca de metade dos casos terá um tumor maligno subjacente (carcinoma adrenal). A maioria dos tumores hipofisários que causam a doença são benignos e muito pequenos (microadenomas).

Veterinária em Santo André, SP

Médica veterinária em Santo André, SP

Se a avaliação veterinária do seu cachorro não está em dia ou você tem dúvida sobre a saúde do seu cachorro já que ele parece muito ofegante, fale conosco!

Trabalhamos com especialistas em Endocrinologia, Oftalmologia, Oncologia veterinária. Atendemos todas as cidades da região metropolitana de São Paulo, nosso horário é flexível, das 9h às 21h durante a semana e das 9h às 17 aos sábados!

Fale conosco para marcar uma consulta

Sintomas da síndrome de cushing em gatos

O hiperadrenocorticismo de ocorrência natural é incomum em gatos, e a forma iatrogênica da doença também é relativamente incomum, pois os gatos são bastante tolerantes a altas doses de corticosteroides.

A doença de ocorrência natural é observada principalmente em gatos de meia-idade e mais velhos, e as gatas são mais comumente afetadas do que os machos. O cortisol pode ter muitos efeitos diferentes, portanto os sinais clínicos podem ser bastante variáveis. Os sinais iniciais podem ser leves, mas tendem a progredir com o tempo. Os sinais mais comuns são:

  • Beber em excesso (polidipsia) e urinar em excesso (poliúria)
  • Aumento do apetite
  • Aumento do abdômen (aparência barriguda)
  • Letargia
  • Emagrecimento e fraqueza muscular
  • Pelo ruim
  • Perda de pelos
  • Curvatura das pontas das orelhas
  • Pele fina e frágil

Em alguns gatos afetados, a pele pode se tornar tão fina e frágil que pode facilmente machucar e rasgar. As feridas também podem demorar para cicatrizar.

Muitos gatos com hiperadrenocorticismo também têm diabetes mellitus, pois o cortisol excessivo interfere nos efeitos da insulina. Isso pode exacerbar o aumento da sede e da micção, e o hiperadrenocorticismo também pode tornar o diabetes mais difícil de controlar. Na verdade, o hiperadrenocorticismo deve sempre ser considerado em qualquer gato diabético que esteja se mostrando difícil de controlar.

Diagnóstico de sindrome de cushing em gatos

O diagnóstico de hiperadrenocorticismo nem sempre é simples e geralmente requer vários exames de sangue, exames de urina e diagnóstico por imagem (raios-X e / ou ultrassom).

Os exames de sangue de rotina podem ajudar a descartar as causas mais comuns dos sinais clínicos, após o que exames mais específicos para hiperadrenocorticismo podem ser feitos. Isso pode incluir:

  • Medições de cortisol na urina – podem ser usadas como um teste de triagem para descartar hiperadrenocorticismo, mas níveis elevados não podem confirmar um diagnóstico, então mais testes são necessários.
  • Teste de estimulação com ACTH – com este teste, amostras de sangue são coletadas para medir os níveis de cortisol antes e depois de uma injeção de ACTH sintético. Se concentrações muito excessivas de cortisol forem encontradas, isso geralmente confirma o diagnóstico
  • Teste de triagem de dexametasona – com este teste, os níveis de cortisol no sangue são medidos antes e depois de uma injeção de dexametasona (um corticosteroide potente que normalmente suprime a produção de cortisol). Se a produção de cortisol não for suprimida, isso pode indicar a presença de hiperadrenocorticismo.
  • Medir as concentrações sanguíneas de ACTH – pode ser possível medir as concentrações sanguíneas do ACTH do seu gato, o que também pode ajudar a diferenciar entre doenças dependentes da adrenal e hipófise
  • Raios-X e ultra-som – especialmente o ultra-som pode ser útil, pois é capaz de determinar o tamanho das glândulas supra-renais e avaliar se uma ou ambas estão aumentadas. Isso também pode ajudar a distinguir entre doenças dependentes da adrenal e hipófise

Infelizmente, nenhum teste é completamente preciso e confiável no diagnóstico de hiperadrenocorticismo, então mais de um teste geralmente é necessário e às vezes os testes têm que ser repetidos.

Tratamento de hiperadrenocorticismo

Se o hiperadrenocorticismo iatrogênico estiver presente, ele geralmente é tratado com a retirada gradual controlada do corticosteroide ou progestágeno que está sendo administrado. Pode ser necessário encontrar um tipo alternativo de medicamento se ele tiver sido usado para tratar uma alergia, por exemplo.

Com o hiperadrenocorticismo de ocorrência natural, várias opções de tratamento estão disponíveis, mas mais comumente o controle da doença será tentado com terapia medicamentosa.

  • Terapia medicamentosa com trilostano – vários medicamentos diferentes têm sido usados ​​para suprimir a produção de cortisol pelas glândulas supra-renais em casos de hiperadrenocorticismo, mas poucos deles funcionam bem em gatos. O trilostano, que inibe a produção de cortisol e é amplamente utilizado em cães, também parece ser eficaz em gatos e é a droga mais comumente usada. Os comprimidos devem ser administrados uma ou duas vezes ao dia e a dose ajustada de acordo com a resposta. Os sinais clínicos podem melhorar apenas gradualmente, mesmo com o manejo bem-sucedido da doença
  • Adrenalectomia cirúrgica – é a remoção cirúrgica de uma glândula adrenal e pode ser uma boa opção de tratamento se apenas uma glândula adrenal for afetada (por exemplo, se houver um tumor benigno afetando uma das duas glândulas adrenais)
  • Hipofisectomia – este é o termo usado para se referir à remoção cirúrgica da glândula pituitária – embora tecnicamente possível, é uma cirurgia extremamente difícil, que apresenta riscos muito elevados e geralmente não é recomendada (e está disponível apenas em alguns centros especializados).
  • Radioterapia para tumores hipofisários – quando disponível, a radioterapia para um tumor hipofisário subjacente pode ajudar a controlar o hiperadrenocorticismo, embora a disponibilidade seja limitada.

Qual é o prognóstico para gatos com hiperadrenocorticismo?

O hiperadrenocorticismo é uma doença grave e carrega um prognóstico reservado. A doença raramente pode ser curada, mas com o tratamento adequado, vários gatos respondem bem e podem ter muitos meses ou até anos de excelente qualidade de vida. Se a causa subjacente for um tumor adrenal maligno, inevitavelmente o prognóstico será mais reservado.

Especialista em endocrinologia veterinária no ABC Paulista e São Paulo: