Existem doenças cardíacas em gatos de origem congênita, ou seja, o defeito cardíaco que já está presente ao nascimento do gatinho, apesar disso, os sintomas podem aparecer depois de alguns meses ou anos de vida. A doença congênita pode ser um problema de desenvolvimento do embrião e afetar somente um gatinho ou pode ser um distúrbio genético ou hereditário e envolver mais de um animal da ninhada.

A insuficiência cardíaca ou cardiopatia em gatos é um grupo de doenças que levam ao mau funcionamento do coração. Nos gatos ela não é tão comum quanto em cães. A principal doença cardíaca dos felinos é a cardiomiopatia hipertrófica.

Veterinária Oftalmologista Kethye Ortencio CRMV 25832

Médica veterinária em Santo André

Se a avaliação veterinária do seu gato não está em dia ou você tem dúvida sobre a saúde do seu felino, fale conosco! Trabalhamos com especialistas em Felinos além de Endocrinologia, Oftalmologia, Oncologia veterinária. Atendemos todas as cidades da região metropolitana de São Paulo, nosso horário é flexível, das 9h às 21h durante a semana e das 9h às 17 aos sábados!

Fale conosco para marcar uma consulta

Doenças congênitas comuns em felinos

Os dois tipos de doença congênita mais comuns em gatos são: má formação da válvula ou defeito no septo (mau fechamento da musculatura que separa as câmaras do coração entre o lado direito e o esquerdo), ficando uma passagem entre elas, e fazendo em ambas situações, com que o sangue flua de maneira errada e turbulenta, nesse caso, o médico veterinário ao examinar o gato e ao realizar ausculta do coração  consegue identificar o sopro cardíaco.

Cardiomiopatia hipertrófica de gatos

Saiba mais sobre as doenças de coração em gatos 1

A doença cardíaca mais comum em felinos. A maioria dos gatos com essa doença não apresenta sintomas até que esteja em um estado avançado. Essa é doença é a maior causa de morte súbita em gatos. Felinos ao contrário dos cães raramente tossem quando tem doenças cardíacas. A intolerância ao exercício normalmente também não é observada, pois os gatos têm uma vida mais sedentária e pacata e não fazem muito esforço físico, diferente dos cães.

Sintomas da cardiopatia em gatos

  • Perda de apetite.
  • Perda de peso.
  • Apatia (preguiça).
  • Aumento da frequência respiratória (respirar mais rápido e ofegante).
  • Paralisia das pernas traseiras, acompanhada de muita dor e gritos devido a formação de trombos.
  • Nos gatinhos com doença congênita observe se eles não crescem como os irmãos, ficando menores e mais magros.

Nem todo sopro auscultado nos gatos tem origem cardíaca. Nos felinos o sopro pode estar relacionado a anemia ou mesmo ser intermitente (vai e volta), devido a estresse e aumento da frequência cardíaca e não tem relação com doenças do coração.

Como e feito o diagnóstico?

  • Exame de raio X de tórax
  • Eletrocardiograma
  • Ecocardiograma
  • Mensuração da pressão arterial

Tratamento de doenças cardíacas em felinos

O tratamento pode ser cirúrgico em casos de má formação (doença congênita), em outros casos, assim como cães e pessoas, os felinos com doenças cardíacas podem necessitar de medicamentos para diminuir a pressão arterial e o esforço cardíaco, anticoagulantes, diuréticos entre outros.

O prognóstico depende de quando a doença foi identificada, qual a condição geral do animal e da resposta ao tratamento.

Raças de gatos mais propensas às doenças cardíacas

Certas raças de gatos são mais propensas a desenvolver a cardiomiopatia hipertrófica entre elas podemos citar: o Maine Coon, que pode desenvolver a doença ainda jovem, apresentando sintomas importantes em torno da idade de 2 a 4 anos de vida.

Outra raça propensa a essa doença e o American Shorthair, o British Shorthair e Gatos Persas. Os gatos da raça Siameses têm uma predisposição maior a nasceram com persistência de ducto arterioso e desenvolver cardiopatia dilatada (muito rara).