No dia 17 de junho é o Dia do Gato, que se espalham em mais de 22 milhões de felinos no país de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). De fato, nós brasileiros amamos estes pets peludos!

Segundo a entidade Instituto Pet Brasil, de 2013 para 2018, o número de gatos domésticos no país saltou 8,1%, enquanto o de cães subiu 3,8%. O movimento de aumento superior ao dos cachorros vem sendo notado há mais de uma década. Ainda não há previsão para uma virada, mas trata-se de uma possibilidade real para o futuro. No Brasil, há 54,2 milhões de cães e 23,9 milhões de gatos. Desses, estima-se que 1,25 milhão estejam na capital paulista.

Aqui em Santo André nossa experiencia como uma clínica veterinária especializada em Gatos não é diferente. Observamos cada vez mais tutores adotando e comprando gatos de raças diferenciadas.

Diante disto, abordamos aqui seis verdades e mentiras sobre os hábitos dos gatos, que precisam ser respeitados em seus limites e compreendido em suas peculiaridades comportamentais.

Gatos podem ter dificuldade de descer de lugares muito altos

Verdadeiro. Não é incomum procurar o gato em casa e encontrá-lo sobre os armários, eletrônicos ou outros lugares mais altos. Isso acontece porque eles gostam de explorar a casa e muitas vezes se sentem seguros nesses locais. Porém, não são anatomicamente projetados para descer de locais muito altos, e podem até sofrer graves quedas.

Ao mostrar sua barriga, os gatos mostram submissão ao seu dono

Falso. Ao contrário dos cães, os gatos não estão mostrando submissão ao ficar de costas para o chão. Segundo Marcio, isso acontece porque ao agir dessa forma, os felinos estão demonstrando confiança e podem encarar o contato como uma ameaça a sua dominância do local.

Gatos derrubam a água da tigela por não enxergar bem

Verdadeiro. A visão dos bichanos não é das melhores e apresentam por natureza um pouco de miopia. Mas vale lembrar que alguns deles também podem ver na água uma diversão, e derrubar o seu potinho é um tipo de brincadeira.

Adendo: vale lembrar que as vezes um “comportamento estranho ao beber água” pode ser um sintoma de algum problema. Gato que bebe muita água pode ter problemas com diabetes mellitus felina, hipertireoidismo, problema no trato urinário, entre outras. Fale com o veterinário.

Gatos sabem quando o dono está se preparando para viajar

Falso. Você já deve ter visto algum vídeo de gatinho entrando dentro da mala de viagem de seu dono enquanto a bagagem é arrumada. Muita gente pensa que é porque o animal reconhece que o tutor irá viajar, mas na verdade o pet identifica alguns rituais como uma forma de obter atenção ou um sinal de mudança na rotina. Com o tempo o animal se torna capaz de reconhecer tais sinais e passa a se aproximar para ter mais atenção.

Você precisa acostumar um gato a outro animais enquanto ele é filhote

Verdadeiro. De fato a melhor época para socializar um felino é enquanto é filhote. O período de socialização dos gatos ocorre em sua primeira fase de vida: esse é o momento para lhes apresentar, por exemplo, texturas diferentes de alimentos e colocá-lo em contato com outros animais. Entretanto é perfeitamente possível, com paciência, socializar um gato adulto.

Gatos não têm pulgas nem carrapatos

Falso. Felinos podem sim sofrer muito com pulgas e inclusive obter doenças desses parasitas, como dermatite e anemia infecciosa. Já os carrapatos são mais raros em gatos, mas também podem se alojar no pet. Por isso é importante mantê-lo protegido. Prefira soluções de longa duração que evitam a reinfestação de seu pet e deixam a casa livre desses parasitas.

Confira neste artigo as doenças mais comuns em gatos, com as dicas de como reconhecer e como tratar.

Alguns comportamentos dos gatos podem ser evitados através da castração. A castração de gatos só traz benefícios, além dos comportamentais, para a saúde do animal a longo prazo.