O fígado é um órgão vital, localizado no abdômen, logo atrás do diafragma. O fígado tem um papel muito amplo na manutenção da saúde e do metabolismo normais através de funções como:

  • Auxílio à digestão (especialmente de gorduras);
  • Síntese de proteínas e hormônios;
  • Regulação do metabolismo energético e proteico;
  • Metabolismo e eliminação de produtos tóxicos e resíduos;
  • Regulação imunológica.

Existe um suprimento sanguíneo direto do intestino para o fígado e, em parte, por causa disso, o fígado é vulnerável a lesões tóxicas, pois qualquer veneno ingerido chega rapidamente ao fígado. Os gatos também têm uma maior aceitabilidade porque não possuem algumas vias metabólicas no fígado que seriam capazes de lidar com algumas toxinas.

O fígado também pode ser afetado por uma variedade de distúrbios e outras doenças (por exemplo, diabetes mellitus, hipertireoidismo, linfoma ) às vezes também causam danos ao fígado.

O fígado possui uma enorme capacidade de reserva, o que significa que a insuficiência hepática real ocorre raramente, pois mais de dois terços dela precisam ser severamente afetados. O fígado também se regenera bem, o que significa que a recuperação geralmente é possível mesmo após doenças graves do fígado.

Fígado do gato

O que é doença hepática?

O fígado é um órgão importante com muitas funções, incluindo a digestão e conversão de nutrientes, a remoção de substâncias tóxicas do sangue e o armazenamento de vitaminas e minerais. Como o fígado trabalha para livrar o corpo de tantas substâncias diferentes, é suscetível a danos de muitas fontes diferentes. 

A doença hepática resulta em inflamação, conhecida como hepatite. Se não for tratado, isso pode levar à perda de função, pois células hepáticas saudáveis ​​são substituídas por tecido cicatricial. Doenças em outras partes do corpo também podem afetar a função do fígado.

Felizmente, a doença hepática pode ser efetivamente gerenciada e a progressão limitada. Muitos gatos passam a viver felizes anos após o diagnóstico. A nutrição adequada e o diálogo contínuo com seu veterinário são essenciais para gerenciar a doença hepática do seu gato.

Tipos comuns de doenças hepáticas felinas incluem:

  • Lipidose hepática
  • Colangiohepatite (aguda ou crônica)
  • Hepatite linfocítica do portal
Doença hepática em gatos 1

Veterinária especialista em gatos

Nós contamos com nossa veterinária especialista em gatos Dra Daisy Rodrigues CRMV-SP 29815. Ela é médica veterinária formada pela UNIABC, especialista em anestesia e felinos. A Clínica Veterinária UAU UAU QUE MIA atende tutores de toda a região metropolitana de São Paulo. Veja nossa especialidade e entre em contato.

O que causa doença hepática?

Os fatores que aumentam a probabilidade de o seu gato desenvolver doença hepática incluem:

Gato raça siamês

Raça: Certas raças, como os gatos siameses, têm maior probabilidade de nascer ou têm tendência a desenvolver problemas hepáticos específicos.

Idade: Várias doenças, incluindo disfunção hepática, são comuns em gatos geriátricos.

Obesidade: Gatos com excesso de peso podem ter maior probabilidade de desenvolver doença hepática.

Medicamentos e produtos químicos: medicamentos contendo acetaminofeno podem danificar o fígado em gatos.

Causas de doença hepática em gatos

Lipidose hepática felina

A lipidose hepática, ou “doença hepática gordurosa”, é a doença hepática grave mais comum encontrada nos gatos. É mais provável que ocorram gatos de meia idade e aqueles com excesso de peso. A condição está ligada à desnutrição, que pode ser causada por qualquer um dos seguintes fatores:

  • A alta de proteína ou incapacidade de processar proteínas
  • Anorexia prolongada
  • Estresse
  • Perturbações hormonais
  • Mudanças na dieta
  • Doença renal
  • Diabetes
  • Pancreatite
  • Câncer

Colangiohepatite felina

A colangiohepatite tem sido associada às seguintes condições:

  • Infecção bacteriana, fúngica ou protozoária
  • Peritonite infecciosa felina
  • Leucemia felina
  • Toxoplasmose Flukes do fígado

Colangite linfocítica

É uma doença crônica de progressão lenta caracterizada por uma infiltração de pequenos linfócitos nas áreas portais do fígado. Pode ser conhecida como colangio-hepatite linfocítica, hepatite portal linfocítica e colangite não supurativa.

Pensa-se que a hepatite do portal linfocítico esteja relacionada a um distúrbio imunológico ou da tireóide, embora nenhuma causa específica tenha sido definitivamente determinada.

Sintomas da doença de fígado em gatos

Meu gato tem doença hepática?

Os sinais de doença hepática podem ser muito semelhantes aos de outras condições. Se você notar algum dos seguintes sinais em seu gato, entre em contato com seu veterinário para um exame completo.

  • Fraco ou perda de apetite
  • Perda repentina de peso
  • Falta de ganho de peso
  • Icterícia (amarelecimento das gengivas, parte branca dos olhos ou pele)
  • Aumento da sede
  • Vômitos frequêntes no gato
  • Diarreia
  • Mudanças de comportamento
  • Baba excessiva
  • Falta de energia ou depressão

Outros possíveis sinais de distúrbios hepáticos incluem urina de cor escura, gengivas pálidas ou acúmulo de líquido no abdome que pode ser confundido com ganho repentino de peso. Seu veterinário pode administrar outros testes para diagnosticar doenças hepáticas.

IMPORTANTE: Os sinais de doença hepática não são muito específicos, dificultando o reconhecimento. Se gatos obesos pararem de comer, pode haver complicações fatais.

Gatos que perdem o apetite por dois a três dias podem apresentar lipidose hepática felina, uma condição associada a um acúmulo perigoso de gordura no fígado que prejudica o bom funcionamento. Se o seu gato não estiver comendo, consulte o seu veterinário imediatamente.

A importância da nutrição

Se o seu gato é diagnosticado, você pode estar se perguntando como cuidar do seu gato com doença hepática. O tratamento de qualquer doença hepática visa repousar o fígado e minimizar as funções relacionadas ao metabolismo de gorduras, proteínas, carboidratos e drogas. Quando o seu gato tem doença hepática, é ainda mais importante alimentar a comida certa. Alimente seu gato com carboidratos facilmente digeridos, gorduras de alta qualidade e quantidades limitadas de sódio para controlar os danos contínuos no fígado e melhorar a função hepática.

Para diagnóstico preciso e opções de tratamento, sempre consulte seu veterinário e peça que ele recomende o melhor alimento para a saúde do fígado do seu gato.

Diagnóstico de doença hepática

Como os sinais clínicos da doença hepática são frequentemente vagos e inespecíficos, geralmente são necessários exames de sangue e urina para identificar que a doença hepática é a causa subjacente. Várias anormalidades podem ser observadas nos exames de sangue e urina:

  • Os níveis de bilirrubina podem estar elevados no sangue e na urina
  • As ‘enzimas hepáticas’ podem ser medidas no sangue – são enzimas produzidas nas células hepáticas e, se houver danos no fígado (ou talvez obstrução ao fluxo da bílis), essas concentrações enzimáticas no sangue podem se elevar. Essas enzimas podem incluir:
    • ALT (alanina aminotransferase)
    • ALP (fosfatase alcalina)
    • AST (aspartame aminotransferase)
    • GGT (gammaglutamil transferase)
  • Ácidos biliares – são produzidos pelo fígado e são importantes na digestão de gordura no intestino. Na doença hepática e onde há obstrução ao fluxo da bile, as concentrações de ácido biliar no sangue podem estar elevadas. Embora enzimas hepáticas elevadas possam fornecer informações sobre danos no fígado, o teste de ácido biliar geralmente fornece algumas informações sobre a função hepática.
  • Hematologia – observando os glóbulos vermelhos e brancos presentes no sangue – isso pode dar algumas indicações sobre possíveis infecções subjacentes ou inflamação no fígado.
  • Proteínas no sangue

Os resultados dos exames de sangue podem ajudar a confirmar a presença de doença hepática, mas pode ser difícil avaliar a gravidade ou extensão da doença apenas com esses testes, e eles não revelam a causa subjacente. Algumas das alterações sanguíneas também podem ocorrer com outras doenças, como diabetes mellitus e hipertireoidismo; portanto, também podem ser necessários testes adicionais para descartar essas alterações.

Exames de imagem

A avaliação do fígado por raios X (para avaliar o tamanho do fígado) e por ultrassom (para avaliar o tamanho e a estrutura do fígado e procurar qualquer evidência de obstrução ao fluxo biliar) pode ser muito útil para ajudar a diminuir causas potenciais de doença hepática.

Biópsia do fígado

Uma ampla variedade de distúrbios pode afetar o fígado, resultando em testes hepáticos anormais. Uma das principais limitações dos exames de sangue e urina e das técnicas de imagem não invasivas é que, embora possam indicar a presença de dano ou disfunção hepática, não podem indicar a causa ou potencial reversibilidade do problema.

Em alguns casos, uma biópsia do fígado fornecerá um diagnóstico específico, o que ajudará seu veterinário a determinar o tratamento mais apropriado e um prognóstico preciso.

Tratamento de doença hepática

O tratamento da doença hepática depende muito de sua causa, razão pela qual são frequentemente necessários testes adicionais, como uma biópsia hepática. Além de tratamentos específicos, o tratamento de suporte pode ser útil em muitos casos, incluindo fluidos intravenosos onde os gatos estão desidratados, suporte nutricional e medicamentos que podem ajudar a apoiar a função hepática ou a coagulação do sangue, como:

  • Vitamina K
  • Ácido ursodeoxicólico (UDCA)
  • s-adenosilmetionina (SAMe)
    • Silybin / Silymarin