A cinomose canina é uma doença contagiosa e grave causada por um vírus que ataca os sistemas respiratório, gastrointestinal e nervoso de cachorros e cães.

O vírus também pode ser encontrado em animais selvagens, como raposas, lobos, coiotes, guaxinins, gambás, martas e furões e foi relatado em leões, tigres, leopardos e outros gatos selvagens, além de focas.

Cinomose em cachorros 1

O que é a cinomose? 

É transmitida pelo vírus VCC (Vírus da Cinomose Canina), pertencente a família Paramyxovirus. Ela é  contraída por meio de contato com a secreção expelida pelo organismo de um cachorro contaminado. Ou seja, através da saliva, muco nasal ou dos olhos, fezes e urina. O contágio mais frequente é através de espirros. 

O inverno deve ser uma estação de alerta. Pois, apesar do vírus transmissor ser pouco resistente fora do organismo do animal, pode ser um pouco mais resistentes em locais frios e secos. Apesar de ser mais frequente em filhotes, é possível que cães adultos não vacinados contraiam o vírus.

Apesar de ser muito perigosa em cães, a doença não é uma zoonose, ou seja, não é transmitida para humanos.

Como se espalha a cinomose canina?

Filhotes e cães geralmente são infectados por exposição no ar (através de espirros ou tosse) ao vírus de um cão ou animal selvagem infectado. O vírus também pode ser transmitido por alimentos e tigelas e equipamentos compartilhados. Cães infectados podem se livrar do vírus por meses, e os cães-mãe podem transmitir o vírus através da placenta para seus filhotes.

Como a cinomose canina também afeta as populações da vida selvagem, o contato entre animais selvagens e cães domésticos pode facilitar a propagação do vírus. Surtos de cinomose canina em populações de guaxinim local podem sinalizar um risco aumentado para cães de estimação na área.

Veterinária em Santo André, SP

Médica veterinária em Santo André, SP

Se a avaliação veterinária do seu cachorro não está em dia ou você tem dúvida sobre a saúde do seu cachorro já que ele parece muito ofegante, fale conosco!

Trabalhamos com especialistas em Endocrinologia, Oftalmologia, Oncologia veterinária. Atendemos todas as cidades da região metropolitana de São Paulo, nosso horário é flexível, das 9h às 21h durante a semana e das 9h às 17 aos sábados!

Fale conosco para marcar uma consulta

Quais cães estão em risco?

Todos os cães estão em risco, mas os filhotes com menos de quatro meses de idade e os cães que não foram vacinados contra a cinomose canina têm maior risco de adquirir a doença.

Quais são os sintomas da cinomose canina?

Inicialmente, os cães infectados desenvolvem secreção aquosa a pus dos olhos. Eles então desenvolvem febre, corrimento nasal, tosse, letargia, apetite reduzido e vômito. À medida que o vírus ataca o sistema nervoso, os cães infectados desenvolvem comportamento circulante, inclinação da cabeça, espasmos musculares, convulsões com movimentos de mastigação da mandíbula e salivação (ataques de goma de mascar), convulsões e paralisia parcial ou completa. O vírus também pode causar o espessamento e endurecimento das patas, levando ao seu apelido de “doença da almofada dura”.

Na vida selvagem, a infecção por cinomose canina se assemelha à raiva.

A cinomose é frequentemente fatal, e os cães que sobrevivem geralmente apresentam danos permanentes e irreparáveis ​​no sistema nervoso.

Como a cinomose canina é diagnosticada e tratada?

Veterinários diagnosticam cinomose canina através da aparência clínica e testes de laboratório. Não há cura para a infecção da cinomose canina. O tratamento normalmente consiste em cuidados de suporte e esforços para prevenir infecções secundárias; controlar vômitos, diarréia e sintomas neurológicos; e combater a desidratação através da administração de fluidos. Cães infectados com cinomose canina devem ser separados de outros cães para minimizar o risco de mais infecções.

Cinomose em cachorros 2

Como é evitada a cinomose canina?

A vacinação é crucial na prevenção da cinomose canina.

  • Uma série de vacinas é administrada aos filhotes para aumentar a probabilidade de criar imunidade quando o sistema imunológico ainda não amadureceu completamente.
  • Evite lacunas no cronograma de imunização e verifique se as vacinas contra a cãibra estão atualizadas.
  • Evite o contato com animais e animais selvagens infectados
  • Tenha cuidado ao socializar filhotes ou cães não vacinados em parques, aulas de filhotes, aulas de obediência, creches para cães e outros locais onde os cães possam se reunir.

Como matar o vírus da cinomose no ambiente?

Para se livrar da cinomose no ambiente, é importante que nenhum bichinho contaminado esteja no local. A limpeza é um dos fatores mais importantes para o combate do vírus. Para tal, utilize um desinfetante a base de fenol, solvente lipídico ou amônio quaternário. Algumas substâncias que contém estes reagentes são: creolina, álcool e o amoníaco. Faça a limpeza em todo o ambiente algumas vezes no decorrer de dois meses com estes produtos.

Outro fator importante em relação à sobrevivência do vírus da cinomose é a temperatura do ambiente. Ou seja, quanto mais quente o local, menor o tempo de sobrevivência do vírus. Por este motivo, a incidência da doença no inverno é maior. Se a temperatura de sua casa for inferior a 25°C,  o vírus terá um pouco mais de resistência. Porém, se seguir os procedimentos de limpeza, não há vírus que resista. No caso de plantas, não é necessário aplicar nenhum produto sobre elas, se houver exposição direta e constante ao sol.

Não coloque um outro animal para conviver no mesmo local que o bichinho contaminado vivia, antes de completar os 2 meses de limpeza com os produtos indicados. Além disso, é importante vacinar o novo animalzinho antes que ele entre em contato com o ambiente.